Crescimento da liderança feminina no agro é destaque de evento em São Paulo

06/03/2019

Crescimento da liderança feminina no agro é destaque de evento em São Paulo

Crescimento da liderança feminina no agro é destaque de evento em São Paulo

Produtora Norma Gatto é o rosto da quarta edição do Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio

Reforçar a relevância da presença feminina no avanço do agronegócio, de forma inovadora, rentável, sustentável e ética, é um dos focos do 4° CNMA – Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio, que será realizado nos dias 08 e 09 de outubro, no Transamérica Expo Center, em São Paulo (SP). O evento reunirá mulheres do setor de todo o país para a troca de ideias e experiências, sempre com atenção ao papel da mulher no agronegócio brasileiro.

“Com a presença cada vez mais marcante da mulher em posições de importância no setor, temos no Congresso uma oportunidade de reunir essas representantes e promover um espaço para debates e, principalmente, ouvi-las, visando entender quais são seus objetivos e angustias quando olham para o mercado”, destaca a Show Manager do CNMA, Renata Camargo.

Dentro desse cenário, a figura feminina no agronegócio deixou de ser coadjuvante e passou a ter destaque. Um dos exemplos dessa mudança de papel é o rosto escolhido para a nova edição do Congresso – a produtora rural, pecuarista, mãe e empresária Norma Gatto. “Escolhemos a Norma como nosso rosto para esse ano devido sua história de vida e também por ser um exemplo de determinação e superação para nós mulheres”, afirma Renata.

Norma Gatto sempre esteve nos bastidores do agronegócio, acompanhando de longe os negócios da família, mas atuando de maneira efetiva como conselheira e parceira do negócio. “Como filha e esposa de produtor rural, sempre me vi entre os assuntos da fazenda, mas nunca dediquei o meu tempo e a minha atenção de forma integral ao negócio até o ano 2000, quando me vi frente a um dos maiores desafios da minha vida”, conta ela.

Após perder seu marido, a fundadora do Grupo Gatto decidiu que era hora de assumir o seu papel nos negócios da família e tomar a frente como gestora. “Sempre acreditei que tudo a que nos propomos a fazer em nossas vidas e que nos dedicamos para conquistar nos proporcionará o sucesso que almejamos, e foi com esse pensamento que toquei em frente as fazendas. Não vou dizer que não senti um certo desconforto logo no começo pela falta de conhecimento no setor agrícola, mas tive também muitos parceiros que me ajudaram a entender melhor esse negócio”, ressalta Norma.

Segundo ela, estar presente em eventos e participar de cursos sobre o setor foi muito importante para entender melhor esse universo e se preparar para os desafios que encontraria pela frente. “Hoje, o cenário é bem diferente. A mulher tornou-se agente de mudanças e transformações, não só no setor do agronegócio, mas também em outras áreas que antes eram ‘dominadas’ pelo sexo masculino. A busca por aperfeiçoamento é muito grande”, enfatiza.

Após quase 20 anos, Norma é hoje uma entusiasta da presença feminina no agronegócio, sendo convidada frequente para contar suas experiências em palestras e eventos. “Quando levo minha experiência para um grupo de mulheres que estão desbravando esse setor como eu, tento deixar claro que dependemos apenas de nós mesmas, de nossa garra e, principalmente, da nossa intuição. Quero muito poder auxiliar mais mulheres nesta jornada. Encorajá-las de que a boa gestão é fundamental e é necessário saber como melhorar o crescimento da produtividade”, afirma.

Para ela, o convite da organização do Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio é um dos mais importantes que já recebeu, pois é um reconhecimento de sua trajetória. “O evento é uma oportunidade de reafirmar a importância da mulher na atividade e também de nos unirmos, termos voz e sermos ouvidas. Será um momento para debater nossas dores e ouvir relatos de outras que podem nos inspirar para evoluirmos e crescermos ainda mais em nossos negócios”, destaca Norma.

Cadastre-se em nosso mailing!

E fique por dentro das novidades do CNMA.