Mercados financeiros e o caminho para um futuro mais sustentável

10/11/2021

Mercados financeiros e o caminho para um futuro mais sustentável

Julie Winkler, Chief Commercial Officer of CME Group, citou no LinkedIn a sua participação no 6º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegógio, durante a mesa-redonda “Bioeconomia”. Na ocasião, ela participou junto a outros líderes do setor financeiro, de discussão sobre bioeconomia e qual o papel dos mercados financeiros na transição energética.

Confira o texto completo:

Como filha de pais que cresceram em fazendas no meio-oeste, sou uma garota de Iowa no coração. Meu pai dedicou sua carreira de 55 anos a trabalhar com grandes empresas e startups para projetar equipamentos agrícolas que tornassem possível o trabalho essencial que nossos produtores de alimentos fazem todos os dias. Eu testemunhei em primeira mão como a tecnologia e o lado comercial da produção de alimentos e do manejo da terra evoluíram ao longo dos anos, e como os riscos que a comunidade agrícola enfrenta evoluíram com isso.

Esse foi o foco principal do 6º Congresso Nacional Anual da Mulher do Agronegócio no Brasil no mês passado, onde tive a oportunidade de me juntar a outros líderes financeiros para uma mesa-redonda de discussão sobre bioeconomia e qual o papel dos mercados financeiros na transição energética. Esse é um assunto importante para mim, não apenas por causa de minhas conexões pessoais com o agronegócio, mas também de minha função como Diretor Comercial aqui no CME Group.

O CME Group tem um histórico de quase dois séculos ajudando produtores e usuários de bens essenciais e outras commodities a gerenciar riscos em mercados relacionados a alimentos, energia e outros recursos naturais. Oferecemos produtos que permitem aos nossos clientes gerenciar riscos de todos os tipos, inclusive em algumas das áreas mais impactadas pelas mudanças climáticas.

Grande parte do meu trabalho consiste em ouvir com atenção os nossos clientes e compreender os riscos que enfrentam e como pretendem gerir esses riscos. Uma coisa que realmente me chamou a atenção é o quanto essas conversas mudaram nos últimos dois anos. Hoje, há um foco cada vez mais urgente no investimento em fontes de energia renováveis ​​e limpas em quase toda a indústria, órgãos governamentais e comunidade.

Embora ainda devamos ver como o movimento em direção a práticas de negócios mais sustentáveis ​​evoluirá ao longo do tempo, sabemos que a transição apresenta sérios riscos financeiros, desde mudanças de política a avanços tecnológicos – e até mesmo mudanças nas preferências do consumidor – e que gestão de risco eficaz e descoberta de preços continuará a desempenhar um papel vital. Produtos, serviços e tecnologias financeiros podem ajudar os participantes do mercado global a gerenciar os riscos climáticos emergentes, ao mesmo tempo que ajudam a canalizar mais recursos essenciais para a transição.

Convido você a ler mais sobre nossa discussão em mesa redonda neste artigo, bem como algumas das outras recapitulações deste evento esclarecedor. Esses tópicos são especialmente oportunos porque uma grande conferência sobre o clima – a COP-26 – acaba de começar em Glasgow, no Reino Unido. Esta é uma discussão extremamente significativa e nós do CME Group, como todos vocês, estaremos observando esses desenvolvimentos cuidadosamente.

Fonte: LinkedIn