Agricultura é peça-chave para economia, segurança alimentar e sustentabilidade

20/03/2023

Agricultura é peça-chave para economia, segurança alimentar e sustentabilidade

Fonte de emprego, riqueza, alimentos e bioenergia: esta é a competitiva agricultura brasileira. Não é a toa que ela é um dos setores que mais contribui para o aumento do PIB. Para se ter uma ideia, a agricultura responde por 21% da soma de todas as riquezas nacionais produzidas, um quinto dos empregos e cerca de 43% das exportações, alcançando a US$ 96,7 bilhões em 2020. 

Segundo o IBGE, em uma análise do desempenho do setor nas últimas décadas (de 1975 a 2017), a produção de grãos passou de 38 para 236 milhões de toneladas, ou seja, um aumento de mais de 500%. 

Essa trajetória de sucesso, com números tão expressivos, é resultado de uma combinação de fatores. O ‘pano de fundo’ que colabora para esse crescimento é um país com abundância de recursos naturais, extensas áreas agricultáveis, com importantes investimentos em pesquisas agrícolas, que oferecem avanços e o uso de tecnologias adequadas e inovações, além do empenho dos agricultores. 

Diante desse cenário e da também crescente preocupação com a sustentabilidade, surge uma dúvida muito frequente – e importante: como trabalhar o uso racional da água, tão essencial para o setor? 

De acordo com Ana Paula Packer, chefe geral da Embrapa Meio Ambiente e integrante do conselho de conteúdo do CNMA 2023, uma agricultura de precisão, que aplica processos tecnológicos, pode minimizar o desperdício de água. “Temos, ainda, a possibilidade de utilizar os bioinsumos que trabalham com bactérias de mitigação à seca, diminuindo o uso de água. Também existe a possibilidade de uma genética dentro disso. Então são diferentes métodos, baseados na ciência, que focam no uso hídrico racional, na diminuição de uma contaminação e nos impactos ambientais”, explica.  
 
Elas cultivam garra e colhem sucesso 
Quando falamos em expansão, desenvolvimento, inovações e dedicação na agricultura, é claro que há (e muito) o envolvimento das mulheres. De diferentes formas e com suas características únicas, elas enfrentam os desafios do dia a dia, fomentam o setor e constroem uma história repleta de conquistas. 

Paula Ramos, produtora agrícola em Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro, cresceu em contato com a agricultura familiar. Com pai e mãe produtores, ela cultiva os mais diversos alimentos, como brócolis, alface, pimentão, entre outros. 

“Na agricultura, temos algumas dificuldades. Trabalhamos embaixo de sol e chuva, e, além disso, pelo menos no que vivencio aqui, sentimos a falta de políticas públicas, de um olhar mais cuidadoso vindo das autoridades. Mas, ao mesmo tempo, é gratificante a gente plantar aquela mudinha pequenininha, ver crescer e saber que lá na frente vai chegar na mesa de uma pessoa que nem conhecemos, e servir alimento”, conta. 

Enquanto isso, no estado de São Paulo, especificamente na cidade de Biritiba Mirim, Thais Copola, agrônoma, produtora e proprietária da Taii Mudas, compartilha um pouco de como foi o início do seu negócio, há 12 anos. “Existia muita falta de confiança pelo fato não somente de ser mulher, mas ser jovem – na época, eu tinha 26 anos. Então passei por inúmeras situações delicadas.” 

Mas, depois de muito empenho, sempre com um olhar detalhista e uma gestão acolhedora, Thais viu sua marca se consolidar no mercado regional. “As pessoas passaram a confiar em mim e no meu trabalho. Hoje, minha empresa é reconhecida pela organização, qualidade e o tratamento humanizado que oferece, interna e externamente”, finaliza. 
 
De olho em futuro não tão distante 
Considerando as tendências de mercado e os diversos fatores socioambientais, a agricultura deverá exigir cada vez mais esforços conjuntos dos setores público e privado. Afinal, ela exerce e tende a continuar exercendo um papel fundamental na solução de problemas ambientais, como a redução dos efeitos das mudanças climáticas, o enriquecimento da biodiversidade e o sequestro de carbono da atmosfera. 

E não somente isso: Por ser multifuncional, o setor agrícola também tem uma enorme importância na economia brasileira, seja na produção de biomassa, biomateriais e química verde, de insumos biológicos ou na saúde, nutrição e segurança alimentar do Brasil e do mundo.