Comissão Estadual de Mulheres da FAEP (CEMF) leva 150 mulheres para o CNMA deste ano

03/07/2023

Comissão Estadual de Mulheres da FAEP (CEMF) leva 150 mulheres para o CNMA deste ano

Tudo começou no final de 2020, quando o presidente da FAEP, Ágide Meneguette, convidou Lisiane Rocha Czech para coordenar um movimento feminino dentro do sistema FAEP/Senar, que, pouco tempo depois, em janeiro de 2021, se tornaria a Comissão Estadual de Mulheres da FAEP (CEMF), e, desde então, tem incentivado a formação de comissões locais nos municípios do Paraná, visando estreitar a comunicação entre as mulheres da agropecuária estadual. 

“A princípio fiquei um pouco apreensiva por ser uma responsabilidade muito grande. Mas acredito que ele me convidou por eu ser presidente do Sindicato e, por aproximadamente há 20 anos, participar das assembleias da Federação”, conta Lisiane. 

Buscando ser sempre participante e ativa, a coordenadora compartilha que, na ocasião, pediu uma coisa a Ágide: convidar algumas mulheres de diferentes locais do Paraná para ser o braço da comissão nas regiões distantes. 

“Por isso, outra coisa que pedi na época foi uma consultoria para a gente ter uma pessoa, uma empresa que nos desse apoio técnico de planejamento, analisando os pontos fortes e fracos e nos ajudando nos desafios, porque tudo era novo e não imaginávamos como seria essa dinâmica da comissão”. Hoje, já somam 16 coordenadoras espalhadas por todo o estado. 

“O nosso principal objetivo é aumentar a representatividade da classe produtora rural com a inserção das mulheres no sistema, na diretoria do sindicato, na presença nos eventos, nos dias de campo, eventos políticos, entre outros”, explica. E todo esse movimento veio, também, a partir de um número preocupante: antes de tudo, eles realizaram uma pesquisa dentro da diretoria do sindicato e descobriram que apenas 6% de todos os dirigentes sindicais do Paraná eram mulheres.  

“Espero que isso mude agora no decorrer dos próximos anos, esse vai ser um dos termômetros para a gente medir a ação da comissão no estado do Paraná”, diz. Atualmente, de 160 sindicatos do Paraná, 59 são de mulheres e, de acordo com Lisiane, a Comissão está com quase 2.000 mulheres cadastradas. 

E como funciona? 
A FAEP disponibiliza, para cada comissão local, uma consultoria para construírem em conjunto um plano de trabalho a ser seguido posteriormente. Esse plano é formado por eventos, treinamentos de liderança, de desenvolvimento pessoal e operacionais – um exemplo é o curso de trator e colheitadeira para as mulheres. 

“O que a gente tem notado é que as participantes têm um enorme interesse nas áreas de gestão da propriedade e custos de produção. O que é uma coisa bem importante porque está despertando e reforçando essa capacidade que elas têm e, em muitos casos, não é utilizada”, observa. 

Além das reuniões mensais para dar andamento aos projetos, as coordenadoras regionais investem em capacitações, desde desenvolvimento pessoal até comunicação, marketing e mídias sociais a fim de se prepararem para representar as mulheres do campo. 

Aos poucos, as mudanças estão acontecendo 
A coordenadora compartilha que as mulheres, aos poucos, estão mais inseridas em diretorias, seja para ocupar a posição ou para participar das reuniões de decisão. “Elas estão tendo voz dentro dos sindicatos e também têm se inspirando em outras mulheres que tocam seus negócios, tanto sozinhas, como com seus pares. E assim, devagar, a gente tem aumentado o nosso time feminino aqui no Paraná”. 

Outro ponto importante que ela reforça é a colaboração que a Federação recebe do doutor Ágide Meneguetti, por meio de apoio financeiro e psicológico. “Em todos os eventos que participa, ele cita o nosso trabalho como a grande chave para a manutenção dos nossos sindicatos rurais, além de ajudar no movimento do sindicato”. 

Uma chama que não se apaga 
Lisiane reforça que todas essas ações não são somente uma chama que se apaga depois. “Temos o cuidado de manter esses grupos motivados, com ações e eventos importantes, para que possamos manter essa chama acesa. E posso afirmar que é um prazer imenso trabalhar e ver que as mulheres estão se sentindo acolhidas, com o sentimento de pertencimento”. E é aí que entra a participação no CNMA! 

Para este ano, ela conta que decidiram subsidiar 150 inscrições para algumas mulheres como forma de incentivo. “O Congresso, na minha experiência participando desde 2020, tem uma troca incrível de conhecimento, palestras de alto nível e um networking imenso. Tanto que já tem tido vários resultados nesses últimos três anos e também conheci pessoalmente várias amigas até então ‘virtuais’”. 

Para finalizar, Lisiane ressalta que as mulheres do agro brasileiro não estão aqui para competir. “Sempre que tenho a oportunidade, falo que não estamos aqui para ser uma melhor que a outra, mas sim para caminharmos juntas, formando uma corrente cada vez maior e mais fortalecida, puxando todas as questões de produção, política, economia e representatividade”.