John Deere conta com um quadro de 33% de mulheres líderes e oferece diferentes programas para fomentar o cenário

21/07/2023

John Deere conta com um quadro de 33% de mulheres líderes e oferece diferentes programas para fomentar o cenário

A empresa é um dos patrocinadores do CNMA e valoriza não somente a presença feminina, mas a diversidade como um todo 

Por mais um ano, a John Deere é um dos patrocinadores do Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio. Com o propósito de fortalecer seu comprometimento com temas relacionados ao papel da mulher como líder no agronegócio, o número de mulheres em cargos de liderança na John Deere passou de 19% em 2019, para 33% atualmente. 

 
“A inovação faz parte dos pilares estratégicos da companhia há mais de 186 anos, e para reforçá-la é imprescindível abraçar e incentivar a diversidade dentro das organizações, ao mesmo tempo em que se valoriza o papel estratégico feminino no negócio”, explica a coordenadora de Suporte Conectado, Lucy Pereira. 

Ações direcionadas a elas 
A John Deere possui várias iniciativas direcionadas à diversidade. Um dos exemplos é o WomenREACH, um programa formado e gerenciado por funcionárias para incentivar o desenvolvimento das mulheres, trocar experiências e reforçar pontos como inclusão e diversidade na companhia. 

“Os funcionários também podem participar do Programa + Mulher 360 (MM360), que tem a missão de contribuir para o empoderamento econômico da mulher brasileira em uma visão 360º. Outras ações de destaque são o Women in Operations (WIO), dedicado a mulheres atuantes em operações, área que normalmente conta com menor presença feminina”. 

Além disso, várias funcionárias fazem parte da Sociedade das Mulheres Engenheiras (SWE, na sigla em inglês), dedicada a aumentar a presença feminina nas áreas de ciências, tecnologia, engenharia e matemática. 
 
Outra ação importante é o Programa Masculinidades Responsáveis, que gera o desenvolvimento de senso de pertencimento para homens e mulheres que querem multiplicar a perspectiva de diversidade a outros homens. “O programa tem como objetivo ampliar a conscientização masculina sobre gênero e suas interseccionalidades, de modo a modificar o ‘mindset’ das diferenças como obstáculos ou limitações, para um olhar mais atento à riqueza, inovação e sustentabilidade. A empresa também lançou, em 2022, o programa Women Can Code, um projeto que busca aumentar a diversidade no mercado de tecnologia por meio da capacitação, desenvolvimento e oferecimento de oportunidades para mulheres pretas, LGBTQIA+ e outras interseccionalidades”. 

No que diz respeito aos concessionários, um importante ‘pontapé’ inicial foi dado. Em uma parceria entre a Associação Brasileira dos Distribuidores John Deere (Assodeere) e a WomenREACH foi criada a iniciativa “Mulheres de Impacto”, que buscará auxiliar a rede de concessionários a implementar uma cultura organizacional que proporcione mais espaço e apoio às mulheres no seu desenvolvimento.  

“Atualmente, mulheres ocupam espaços de protagonismo em diversos setores, desde estagiárias até gerentes, diretoras e proprietárias. É preciso reforçar a importância de que todos os gêneros estejam incluídos no setor e, ao mesmo tempo, unir forças e fornecer apoio para aquelas que almejam seu espaço e deixar sua marca na área”.  

Como mulher, engenheira agrônoma, com mestrado em mecanização agrícola, ambos pela ESALQ/USP, a trajetória de Lucy foi marcada por desafios e oportunidades. 
 
“Estando numa área predominantemente masculina, além do setor agrícola ser conservador, enfrentei alguns preconceitos ao longo da minha carreira, principalmente no início. Tive que ter ‘jogo de cintura’, eu diria, para driblar algumas situações. Fui concursada na Secretaria de Agricultura de São Paulo e também trabalhei na concorrência. Dentro da John Deere, já são 15 anos. Passei por cinco áreas diferentes, onde tive várias experiências muito enriquecedoras, muito contato com concessionários e clientes, que serviram como base para todo esse caminho e no desenvolvimento de algumas habilidades”, compartilha. 

Hoje, ela atua com tecnologia na área de pós-vendas, apoiando a rede de concessionários na implementação e uso das ferramentas de Suporte Conectado. 

A importância de grandes empresas e instituições 

O apoio de grandes empresas e instituições em eventos como o CNMA, que têm como objetivo fomentar a força do empoderamento feminino, atua, entre outros importantes pontos, na formação de opinião para o público geral. “Isso garante que essas companhias gerem identificação com seus funcionários, que passam a entender que seus valores e objetivos estão alinhados”, conta. 
 
“Na John Deere, há diversas ações que valorizam as profissionais. Umas das principais formas de viabilizar a entrada de pessoas na companhia é colocar a diversidade em pauta para que o preconceito deixe de influenciar a realidade desde o processo de recrutamento e seleção”. 

Sobre o Congresso, Lucy finaliza dizendo ser um evento “importante para que mulheres possam trocar experiências e encontrar juntas soluções para as dificuldades enfrentadas no dia a dia, ao mesmo tempo em que se oferece ao público um ambiente democrático, seguro e aberto para potencializar a força feminina e valorizar sua participação em posições de tomadoras de decisões”.