Com 40% de mulheres no Conselho, Beckhauser promove rodas de conversa e prevê projeto para 2024 junto ao Sesi-Senai

21/08/2023

Com 40% de mulheres no Conselho, Beckhauser promove rodas de conversa e prevê projeto para 2024 junto ao Sesi-Senai

Com uma mulher na presidência, a empresa é referência em sustentabilidade e rompe barreiras em áreas que ainda contam com baixa presença feminina 

Em busca de fomentar, de diferentes formas, a presença e protagonismo feminino em todas as áreas relacionadas ao agro, a Beckhauser, uma indústria paranaense produtora de equipamentos de contenção bovina – área em que o espaço para mulheres é ainda pequeno, principalmente em cargos de liderança -, é uma das participantes e patrocinadoras do CNMA 2023. 

Sob a gestão da presidente Mariana Beckheuser, a empresa ‘mergulhou’ com mais força na bandeira da sustentabilidade, o que trouxe o reconhecimento em premiações como o Prêmio Nacional de Inovação, organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o Sebrae, e o Prêmio Sesi ODS, que divulga práticas inovadoras para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). Mariana também foi reconhecida pela Revista Forbes como uma das 100 Mulheres Poderosas do agro. 

“Eu nasci numa família empresária e desde criança convivi muito de perto com o negócio. Entrei na Backhauser em 2005, primeiro como assistente e evoluindo até a gestão da área de comunicação e marketing, que ajudei a estruturar. A jornada para a gestão geral do negócio acompanhou um processo de alinhamento societário e planejamento sucessório, dentro do qual fui indicada pelo Conselho de sócios a assumir a vice-presidência executiva, uma espécie de trainee para a sucessão. Em 2018, recebi o bastão da presidência do meu pai”, conta.

Diversidade e presença feminina
Mariana compartilha que, constantemente, trabalham a questão da inclusão e do acolhimento à diversidade dentro do time de gestão e com a equipe. “É uma diretriz em nosso guia de Boas Práticas, que é: Cultivar o respeito e a individualidade de todos, e não permitir qualquer tipo de preconceito é uma diretriz em nosso guia de Boas Práticas. Isso serve para qualquer identidade de gênero, raça, nacionalidade, condição física, e está presente desde nosso processo de recrutamento e seleção, na integração de novas pessoas ao time, até ações de comunicação, orientações e avaliações comportamentais”. 

E quando o tema é presença e representatividade feminina, a empresa também se destaca. Atualmente, o Conselho é composto por 40% de mulheres. No Comitê Gestor, responsável por tocar a operação do negócio, essa porcentagem é de 30%. Já na área administrativa, são 50% e o desejo é aumentar o número de mulheres na equipe de fábrica, onde o time é ainda praticamente todo masculino em função do tipo de operação. “Temos um projeto em andamento em parceria com o Sesi-Senai, previsto para implantação em 2024, para o desenvolvimento de ferramentas e dispositivos que reduzam o peso em algumas atividades da operação a fim de melhorar a ergonomia e facilitar a inclusão de mulheres nesses setores”, diz Mariana. 
 
Além disso, a empresa oferece um espaço dedicado a todas as colaboradoras, chamado Roda de Mulheres. “É um espaço de encontros periódicos de acolhimento, trocas e integração, onde trazemos temas diversos ligados ao universo da mulher”, explica. 

CNMA 2023
Diante desse crescente cenário da presença e liderança feminina em diferentes áreas do agro, Mariana ressalta que ver outras empresas de referência no setor aportando em eventos como o CNMA é um sinal claro de que esse movimento é um caminho sem volta. “E está em consonância também com o movimento do mercado de modo geral, onde se vê o avanço da pauta da diversidade de gênero chegando, inclusive, a esferas de governança, como o olhar para composição de conselhos e alto nível de gestão”. 
 

“Participar do CNMA é uma forma de reforçarmos nossa visão e apoio a essa realidade de encorajar mulheres em suas jornadas de desenvolvimento no setor. Como mulher à frente de uma organização que atua no agro, tenho acompanhado de perto e vejo com muito bons olhos essa evolução, pois acredito que a energia feminina, que traz o olhar do cuidado, agrega muito na jornada de construção do agro do futuro – integrado e sustentável”, finaliza.